Não costumo postar notícias e coisas do tipo por aqui, mas esse tipo de iniciativa recebe um pouco de atenção. Projetos assim podem incentivar outras pessoas a agir e mudar algumas coisas.

O texto contando o acontecido foi enviado pelo Victor Gabriel, valeu pela contribuição! 

Ontem dia 28 de janeiro de 2015 nosso amigo de Parkour, Franklin Junior foi indicado para o Prêmio de Inclusão Social da Rede de comunicação Meio Norte, com o projeto que ensina a prática do Parkour para crianças no parque lagoas do norte, zona norte de Teresina, ao qual ele mesmo não recebe apoio financeiro de ninguém e não ganha nada com isso, pelo contrario, tira do seu próprio bolso dinheiro o transporte para ir até o local e usa do seu tempo para se dedicar as aulas.

O Projeto começou mais ou menos dia 15 de setembro de 2014, Franklin cursa Educação Física na Uespi onde pagou uma matéria em que tinha que lecionar aulas para crianças. Até ai ele teria que realizar atividades com crianças em alguma escola, e como já praticava Parkour a 7 anos desenvolveu a ideia de ministrar essas aulas voltada para o público infantil, depois disso a ideia so se fortaleceu, onde ele ja foi chamado para realizar aulas na Potycabana também para crianças.

Franklin saiu de um trabalho fixo para se dedicar ao ensino das crianças no parque Lagoas do Norte, o que trás muita satisfação para ele e alegria para as crianças do bairro, que hoje está praticamente dominada pela violência, roubo, acerto de contas. Esse foi um dos motivos que o levou a iniciar esse projeto, outro motivo foi o incentivo e apoio que seu/nosso amigo, hoje in memoriam Daniel Tavares deu antes do inicio do projeto ser posto em prática. Franklin diz: “Acho que se deu certo até agora é porque ele está ajudando aonde quer que ele esteja”

Alguns treinos chegaram a ter 30 crianças, mas com o tempo elas foram diminuindo, acredita ele que por falta de um apoio de outros praticantes, já que as crianças precisam de um olhar mais dedicado e não tem como olhar todos de uma só vez sendo apenas um ministrando as aulas, mas o projeto sobrevive da maneira que pode.

Não se pode e nem devemos negar, pelo contrario, devemos apoiar essa iniciativa, que esse projeto ajuda as crianças do bairro a se ocuparem com atividades mais produtivas, afastando das más influencias e de atividades ilícitas que estamos acostumados e ver diariamente. São essas ideias que são capazes de transformar o mundo em um lugar melhor. O Projeto não ganhou em primeiro lugar, mas teve um destaque merecido no evento em que reunião várias autoridades.