Quem nunca foi impedido de treinar em algum lugar? alguma área comercial? um prédio residencial? ou até foi hostilizado por alguém no meio da rua? Muita gente diz sofrer de preconceito por praticar Parkour, mas vamos entender direito isso…

Vamos aceitar, a sociedade está ai muuuuito antes da gente calçar nossos tênis e sair por ai subindo paredes, pulando dos muros, e equilibrando nos corrimãos das escadas, nós destoamos o cenário, e precisamos ter muito cuidado quando fazemos isso.

Temos o instinto de nos revoltar e berrar aos ventos que estamos no nosso direito de ir e vir, e que podemos estar ali utilizando o espaço tanto quanto as pessoas que estão apenas, nas passando – E SIM TEMOS ESSE DIREITO – mas devemos lembrar também que vivemos numa sociedade civilizada, e que nosso direito começa aonde o do outro acaba, todos temos nossas obrigações, e nossos deveres dentro dessa sociedade, e como Parkour nós somos os diferentes, então nós temos que provar que não estamos ali para fazer bagunça, e sim para nos divertir, treinar, e aproveitar o dia da nossa maneira.

Nos vestimos diferente, normalmente não estamos bem arrumados quando estamos treinando, nossas roupas estão sujas, nossas mãos quase preta, normalmente mesclando uma mistura de asfalto, poeira negra, e sangue. Nosso rosto pinga suor, estamos distante daquela correria que está acontecendo, não estamos nos preocupando com absolutamente nada além do que estamos fazendo, é como uma meditação zen-budista, um estado de espirito que encontramos através do treino, isso é o que sentimos, o que somos, mas as outras pessoas não sabem disso.

Se não tratarmos os guardas que reclamam da nossa presença com educação, seremos vistos como arruaceiros, que discutem com guardas, se não tratarmos os senhores mais velhos que vem reclamar do que estamos fazendo, seremos vistos como agressores de pessoas mais velhas, se sujarmos o lugar onde treinamos, deixando garrafas de água, papeis, sacos plásticos e embalagens  seremos visto como bagunceiros e nossa presença será sempre vista como hostil, ai sim, seremos marginalizados e existirá um preconceito contra a gente.

Temos que mostrar que somos educados, diferentes, que aceitamos críticas e que não nos perturbamos com broncas. Conversamos como adultos, e explicamos o que estamos fazendo, mudamos de local de treino se for necessário, não discutir, e não brigar deve ser uma prática comum no nosso mundo, só assim as pessoas nos respeitarão no futuro. Nosso visual durante o treino é agressivo, não demonstra poder aquisitivo, classe social, nível de escolaridade, e nem preocupação com a imagem. Somos facilmente confundidos com pichadores, usuários de drogas, e outras “tribos” que se reúnem em grupo pelo meio da rua, raramente pessoas ficam no meio da rua atoa.

Inicialmente pode não fazer diferença, mas num futuro isso se tornará o diferencial entre o Parkour, e outras atividades praticadas na rua, respeitar o próximo, com educação, e dando o devido espaço, cada um no seu lugar, cada um no seu jeito.

Respeitem as pessoas a sua volta, a gente precisa dar respeito, para receber esse respeito de volta. O Preconceito existe quando as pessoas não nos entendem, precisamos mostrar quem somos, e que não somos um problema para a sociedade moderna, e sim uma solução.

Abraços!