Estava conversando com o Lukinhas “Literaly”, sobre uma discussão relacionada a adição de competições, na definição acrescida no dicionário ingles Oxford sobre Parkour, então resolvi fazer um texto explicando todo meu ponto de vista sobre o que conversamos, aqui vai.

Meu ponto nesse texto não é dizer o que é certo ou o que é errado, mas ajudar a entender  o comportamento humano, e que alguns querem competir, outros querem uma faixa preta, outros querem ter 1 milhão de views e “joinhas” no youtube. Tudo isso tem um motivo único.

Seres humanos são guiados por instintos, e nossos instintos respondem automaticamente a recompensas, normalmente chamado de “incentivos“.

Parkour é uma arte linda e complexa, que pode demorar alguns meses ou vários anos para se “masterizar“, e o tempo que vamos demorar para aprender não depende apenas da quantidade de tempos que passamos treinando, como sabemos, cada ser humano tem seu tempo, sua genética, e sua habilidade para determinados tipos de coisas, nem todos aprendemos tudo da mesma forma com a mesma velocidade.

Parkour por sua vez é uma atividade com um altíssimo numero de desistentes, conheço zilhões de pessoas que começaram treinaram um determinado tempo, e mesmo ainda apaixonado pela atividade, simplesmente não se sentem estimuladas a saírem para treinar, e acabam deixando de lado a prática. Pela minha experiência, quanto mais rápido a pessoa se torna “habilidosa” dentro do Parkour e se destaca por um “talento natural”, mais rápido essa pessoa vai sentir vontade de parar, pela falta de “desafios”.

Todos nós gostamos de dizer que devemos treinar por nós mesmos, mas como disse ali em cima, nossa natureza acha que isso não é o suficiente por isso acabamos procurando algum tipo de recompensa em tudo. Algumas pessoas procuram recompensas a longo prazo, continuam treinando porque demoraram anos para conseguirem as habilidades que possuem, e valorizam isso muito, então sua motivação é preservar o que deu tanto trabalho, outros conseguem treinar simplesmente pensando em saúde, e bem estar que o treino proporciona. Todo o resto precisa de mais que isso.

Numa comparação não muito parecida temos as artes marciais.  Dentro das artes marciais, as pessoas permanecem treinando por três motivos: Titulos, Competições, Saúde/Bem Estar. Muitas pessoas continuam treinando buscando suas graduações, e isso faz com que a pessoa tire 1 a 2 horas do seu dia, todos os dias, e vá até uma academia treinar e aprender alguma coisa. Outra fatia considerável é formada pelo pessoal que gosta de competir, se sentem desafiados, e treinam normalmente 5x mais do que as pessoas que treinam ou por saúde, ou por graduação, o incentivo dele é maior, uma medalha de ouro (??).

Uma outra comparação é quanto a graduação: Artes Japonesas quando eram apenas praticadas por militares, ou por guerreiros pessoas focadas no treinamento e no aprendizado das técnicas possuíam apenas duas graduações: Faixa Branca ou Faixa Preta. Com o passar do tempo foi desenvolvido o famoso sistema de cores(Jigoro Kano, Judo), influenciando por exemplo o taekwondo, que instituiu oficialmente quando trouxeram para o ocidente onde o numero de “cores” subiu de 4 para 10. Os ocidentais precisam ver para continuarem motivados é o incentivo que conta, sempre.

Em tudo que fazemos na vida fazemos em troca de incentivos, e no Parkour não possuímos nem competições, nem graduações, o que acaba afastando os praticantes menos assíduos da prática por não terem como ver sua evolução, mensurar isso de alguma forma, e não existirem competições oficiais, onde pessoas treinam para fazer parte de uma seleção, competir um campeonato regional, e quem sabe passar na seletiva para o mundial.

Não to dizendo que é certo ou errado, mas que o aparecimento de competições, e graduações é um caminho muito provavel para o parkour, para manter a pessoa treinando por mais tempo ou simplesmente por conseguir fornecer um objetivo palpável a curto prazo. Para alguns ser forte, ter saúde, e possuir a habilidade de ajudar as pessoas não é o suficiente

Depois falamos mais sobre isso.

Abraços