Frequentemente os treinos de Parkour se tornam os mesmos. Você olha pra sua rotina de treinos e tem a certeza de que tá tudo uma bosta. Você treina tanto, sempre da mesma forma, nos mesmos lugares e fazendo as mesmas coisas; e aí você se pergunta “Que porra, eu tô fazendo quando saio de casa e onde vou chegar com tudo isso?”.

O pior é que se você não encontrar uma resposta rápida, você irá cair numa depressão de treino que pode facilmente nunca mais sair.

E se isso acontecer, não é o fim do mundo. O Parkour muitas vezes pode ser encarado apenas como uma fase de sua vida e onde o aprendizado pode te seguir pro resto dela, mesmo se você não treinar mais.

No entanto, assim como você é responsável pela técnica que escolhe pra subir um muro, você é o responsável pela decisão que irá tomar agora. Pára de vez? Ou segue adiante?

Listarei abaixo 5 coisas que me fizeram, mais de uma vez, sair dessa fossa. Hoje em dia, é muito difícil eu cair nela porque uma vez que você descobre o caminho de volta, fica difícil ser pego pela mesma arapuca.

 

1 – INSPIRE-SE.

 

Assista a vídeos e converse com pessoas que admira. A internet está aí pra isso e no meio do Parkour dificilmente você encontrará alguém pé no saco, estúpido e que irá te tratar mal. Vai lá. Perca a vergonha e puxe um papo. O cara não morde. É gente como você…

Se você já tem um tempo de treino considerável, você sabe quem são as pessoas que te inspiram. Busque assistir coisas que essa pessoa já produziu, isso irá te mostrar que não está sozinho na jornada e que seu pensamento de treino é compartilhado por outros. Se já viu todos os vídeos dela, ou ela não produz muitos vídeos, peça para que ela te indique algo legal para assistir. Eu tenho a minha lista de pessoas favoritas para pedir conselho e recomendações. Encontre a sua.

Tem uma página que eu assisto aos vídeos com frequência. Ela é francesa, mantida pelo “Parkour Literally” e a seção se chama “Parkour como meio de locomoção”. É uma sequência de vídeos que eu adoro e que carregam um estilo que não é muito utilizado nos atuais vídeos de Parkour… Vou deixar o link abaixo porque pode servir para alguém:

http://www.parkour-literally.com/le-parkour-comme-moyen-de-locomotion/

 

2 – QUEBRE SUA ROTINA. BRUSCAMENTE.

 

Você se perdeu e precisa se encontrar. Faça isso de alguma forma. Negue-se a vivenciar essa depressão e, mesmo com os pés pesando como chumbo, saia de casa com intenção de fazer algo maluco ou saia da sua casa com intenção de fazer alguma coisa que você não faz a mínima ideia ainda do que vai ser. SAIA DE CASA E VIVA! Ou vai ficar ai de mimimi?

Certa vez essa minha fúria foi libertada quando eu decidi que ia me levantar imediatamente, sair correndo exatamente como eu me encontrava e ia escalar um muro de 4 metros que ficava a uns 4 km de casa. Durante todo o tempo eu não pensava, eu só corria. Quando retornei pra casa (descalço, só de shorts e parecendo um louco) meu espírito estava renovado.

Outro dia eu corri pro ponto, peguei um ônibus que não fazia ideia de pra onde ia e desci para treinar no primeiro lugar legal que encontrei.

Você pode fazer a primeira coisa que te der na cabeça. Se ela te tirar do conforto, eu não sei como, mas parece que a sua “mente de aventura” irá ser acionada de novo.

 

3 – ENCONTRE NOVOS PICOS.

 

Existem variadas formas de se fazer isso. Antigamente eu usava recortes do mapa de Aracaju e ia marcando os locais que já visitei. E tudo aquilo que eu via no mapa que tinha qualquer possibilidade de ser um pico, eu saia de casa para checar.

Hoje você pode fazer isso SEM SAIR DA SUA CASA. Ande pelas ruas da sua cidade procurando novos lugares. Você vai se surpreender, principalmente com os lugares e bairros que nunca frequentou por comodidade de sempre treinar perto de casa ou onde já é conhecido.

 

4 – VIAJE!

 

Não existe, pra mim, um meio melhor de se encontrar inspiração. Procure o próximo encontro, junte grana E VÁ! Não houve, até hoje, uma ÚNICA VEZ que eu viajei para um encontro e que eu não tenha voltado com minha vontade de treino renovada. Mesmo aqueles que eu considero os piores encontros que já frequentei foram os melhores encontros que já frequentei.

Se não houver encontros próximos, fale com um amigo (ou conheça um amigo) de outra cidade e diga: “Posso passar um final de semana, aí?”. Normalmente, ele vai ficar feliz de ter sua companhia (mesmo se ele vocês nunca tiverem se visto antes) e você ficará feliz de treinar em lugares novos, com pessoas novas e respirar ares novos.

Só quem viajou sabe o que é isso. E a sensação que isso causa.

Metade da motivação que tenho em treinar, não existiria sem o que ganhei das pessoas e dos lugares que conheci. Não tem grana? Faça um cofre.

 

5 – PROFISSIONALIZE-SE.

 

Se nada até aqui surtiu efeito, e ainda assim você precisar e quiser tentar algo, talvez seja a hora de você esquecer o seu passado de “somente pulador de muros” e pensar em algo mais concreto pro seu futuro. Você esta crescendo. Você se vê fazendo o que faz hoje daqui a 30 anos? E se você tiver se profissionalizado e conseguido construir um legado ou um projeto foda pro futuro? Não será bacana viver nesse futuro? Então você tem que começar isso agora.

Existem várias maneiras:

I – Crie um grupo e lute pelo crescimento dele.

II – Ajude a organizar a comunidade de sua cidade, estado ou região.

III – Participe de iniciativas que almejem um Parkour melhor para todos.

IV – Inicie projetos sociais com a parceria de órgãos públicos ou privados.

V – Encontre uma maneira de servir e ser útil com o que você já tem.

VI – Se a coisa for séria, busque sua profissionalização oficial: faculdade, cursos e  certificações.

Eu faço uma média de 20 viagens por ano, tenho amigos em várias partes do mundo, já visitei mais estados do que consigo lembrar, estive a frente e dentro de algumas das maiores iniciativas do Parkour Brasileiro, eu faço todos os meses os treinos mais malucos que minha mente consegue criar, eu já entrei mais de uma vez num carro com os amigos e rodamos o Brasil treinando em tudo, eu hoje faço educação física na universidade federal inspirado no meu futuro com o Parkour, eu estou pra publicar um livro sobre Parkour e os meus melhores amigos dos últimos anos, eu conheci dentro dessa pulação de muros sem fim e eles não são necessariamente do meu estado.

Ufa! Tá vendo aí? Não sobra tempo, nem vontade e nem espaço para eu ficar deprimido.

Dedicado aos amigos e as inspirações.