Se alguns anos atrás alguém me dissesse que no futuro eu seria capaz de viajar para onde tivesse vontade, eu não acreditaria. Sem sombra de dúvida esse foi um dos maiores acréscimos que o Parkour fez em minha vida e um legado que eu carregarei para sempre.

Desde a minha primeira viagem para treinar (Maceió, 2006) foram incontáveis idas e vindas por esse Brasilzão a fora e um ganho de experiência que não pode ser contadbilizado. Porém, ao conversar com vários outros praticantes percebi que essa não é uma realidade de todos. Tem gente que já treina a mais de 3 anos e ainda sonha com a sua primeira viagem.

Meu objetivo com esse guia é mostrar que tudo isso é mais simples do que se imagina e ajudar a essas pessoas a entenderem que com o mínimo de planejamento você não precisa ser um barão do petróleo e nem estar nadando em dinheiro para começar a se aventurar. Afivelem os cintos e sigam-me os bons!

Para onde devo viajar?

Essa é a primeira pergunta que deve ser respondida e a escolha normalmente é guiada por um dos pontos abaixo:

– Evento de Parkour.

– Visita a outros praticantes (para conhecê-los ou matar a saudade).

– Vontade de treinar em um pico.

– Objetivos pessoais (e nesse caso os tracers tornam-se um ponto de apoio na cidade).

Independente da motivação é exigido o mínimo de logística e preparo para que você não seja pego desprevenido. A pior coisa numa viagem é não planejar o suficiente e pagar o preço por isso lá na frente.

Que meio de transporte devo usar?

Obviamente isso depende de pra onde você vai e o quão longe a cidade fica. Eu, por exemplo, já gastei 33 horas de ônibus da minha cidade para Belo Horizonte, e apesar de ter valido cada segundo, não foi uma experiência que pretendo repetir dessa forma (de avião, com organização, gastaria o mesmo valor e apenas 3 horas).

O meio de transporte irá depender tanto da sua pressa em chegar e em voltar para casa quanto da sua paciência em ficar tanto tempo confinado a um mesmo espaço. Cada pessoa tem um tempo biológico e viagens de até 12 horas são bastante confortáveis para mim. Se certifique de levar material de distração como livros, música, caneta e papel, jogos ou um amigo. Dá até pra aproveitar a ocasião para puxar conversa com estranhos, fazer novas amizades ou xavecar a pessoa que sentou do seu lado. Arrume um jeito de se distrair.

Em alguns casos especiais, você pode optar por ir de carro. Nesse caso, se exigirá outros preparos (como documentação e revisão do veículo), diferentes necessidades e que não serão abordados nesse guia.

Pessoas que trabalham, estudam e não estão viajando de férias, devem tomar cuidado dobrado com, principalmente, os horários de retorno. Muitas vezes não vale a pena se programar para chegar em sua cidade duas ou três horas antes do seu compromisso. É muito cansativo, você não tem tempo pra nada e passa o resto do dia feito um zumbi.

Meu dinheiro dá pra ir de avião?

Se você estabeleceu sua necessidade de horário quanto à ida e a volta, o outro agravante dessa situação é o quanto isso mexerá com o seu bolso. Alguns anos atrás, viajar de avião era exclusividade de pessoas com alto poder aquisitivo, hoje, em alguns casos sai até mais barato do que os transportes terrestres. Então fique sempre atento a essa possibilidade!

Antigamente existiam os feirões da madrugada e os bugs dos sites de companhias aéreas. Não conte com isso porque tornou-se lenda. Hoje, o método mais seguro de pegar avião barato é checar sempre as promoções (que acontecem com uma freqüência enorme) e comprar a passagem com certa antecedência. Normalmente, facilita ainda mais comprar a passagem de ida junto com a de volta, pois existem promoções que só funcionam dessa maneira.

Existem inúmeros vários sites onde você pode procurar por promoções. Eu adotei somente dois:

Submarino Viagens

www.submarinoviagens.com.br

Esse é o maior site de busca de passagens aéreas. Ele irá buscar o trecho selecionado em todas as companhias existentes e te indicará qual o combo (ida + volta) mais caro e o mais barato. Quando achar sua passagem, não compre pelo site. Se dirija diretamente ao site da companhia aérea, pois o submarino cobra uma taxa de serviço de cerca de 70 reais (e minha intenção com vocês é justamente reduzir esses custos).

Outra dica é variar as datas de procura: se você pretende chegar na sexta, olhe também as passagens saindo na quinta a noite. Muitas vezes você pode achar um preço muito mais em conta e que vale a pena conversar com o rh da sua empresa ou faltar um dia na escola. O mesmo vale para a volta. Até porque passagens que englobem sexta, sábado, domingo e feriados são normalmente as mais caras.

OBS: Sempre que puder, faça horas extras para sua empresa. Você pode economizar algumas centenas de reais se tiver esse trunfo na manga.

Melhores Destinos

www.melhoresdestinos.com.br

Esse site é um canal de informação sobre absolutamente todas as promoções de todas as companhias aéreas. Para quem gosta de viajar, é indispensável assinar o newsletter (informativo) deles e checar os e-mails que enviam com freqüência. O bacana é que quando há promoções de grande porte, eles já trazem os links diretos com os valores para cada cidade e por trechos. Além disso, você fica sabendo também dos cupons de desconto e que podem ser usados para baratear o custo final (já recebi um que depois de inserido cedia gratuidade na viagem de ida). Às vezes as promoções que eles enviam são tão boas, que você nem estava pensando em viajar e ainda assim compra bilhete para não perder a oportunidade.

 

Saia sempre de casa sabendo quando irá retornar. Essa é uma regra de ouro para quem se organiza e não quer lidar com imprevistos.

 

OBS: Em minha última viagem, consegui pagar 38 reais por cada trecho de Aracaju para o Rio de Janeiro.

Onde vou ficar? E com quem vou treinar?

Uma das características mais fodas de quem pratica Parkour é a camaradagem e o prazer genuíno em trocar experiências. As pessoas simplesmente abrem as portas de suas casas e de sua cidade para os irmãos de muro. Esse vínculo é tão forte que até mesmo quando precisei viajar por motivos pessoais (concurso, lazer, congresso…) fui bem recebido, tive apoio e moradia mesmo não focado 100% nos treinos. Então mantenha o diálogo aberto.

– Se não conhece ninguém, avise na comunidade virtual da cidade sobre a sua chegada. Diga que está indo visitar, pergunte se existem albergues ou pousadas baratas (e normalmente alguém oferecerá sua própria casa), avise que quer saber os horários de treinos… e esteja pronto para se surpreender com a boa vontade das pessoas. Existem casas no Brasil em que fui tratado melhor do que nas da minha própria família.

– Anote os telefones das pessoas que irão te receber, e principalmente, não confie somente no seu celular. Leve os telefones de contato (e endereço, se possível) em um bloquinho de anotações, pois se algo der errado, ou o celular for inutilizado, você não ficará perdido no nada. Tenha também a prudência de andar sempre com um cartão telefônico. Existem cidades em que seu celular simplesmente não irá funcionar (ou você terá esquecido de carregar), então não dependa somente dele.

Outro lado positivo é que ao visitar uma cidade você cria um laço que fará com que as pessoas de lá queiram visitar a sua também. Converse, brinque, se divirta, treine, troque experiência com todos e aprenda ao máximo. Trate-os como amigos, pois é o mesmo tratamento que eles darão a você.

De antemão, já estão todos convidados a vir à Aracaju. Lugar pra ficar vocês já tem.

E eu levo o que?

Isso depende muito do que você for fazer enquanto estiver lá. Em minha primeira viagem (um final de semana) eu levei uma mala gigantesca. Foi um desastre carregar aquele trambolho pra cima e pra baixo sem necessidade. Então leve somente o necessário, necessário MESMO. Às vezes você precisará andar distâncias razoáveis com tudo que estiver carregando ou trocar de uma casa pra outra.

– Se sua intenção for passar o tempo inteiro somente pra treinos, duas roupas limpas por dia é o suficiente (no meu caso estabeleci 1.5 roupa/dia, pois eu reutilizo a calça em mais de um treino). Dependendo de para onde for preste atenção no clima: nada de cachecol pro nordeste e prepare casacos e moletons pro sudeste e sul. Lembre-se também de levar uma roupa que dê pra sair. Nunca se sabe quando você precisará estar um pouco mais arrumado e é melhor não ser pego de surpresa.

– Material de higiene é essencial. No meu caso, já tenho um kit fixo com pente, xampu, sabonete, desodorante, batom de cacau, tesoura, pasta e escova de dente. A toalha é bagagem obrigatória, pois nem sempre o dono da casa irá te fornecer uma. Para facilitar o transporte, carregue uma toalha de rosto ao invés da normal. Você só precisa de 1 metro de pano para se enxugar completamente e espaço na bagagem é mais valioso que ouro.

– É bacana levar algum medicamento. O meu kit é composto por remédio para dor de cabeça, descongestionante nasal e pomada antiinflamatória.

– Não esqueça jamais de levar documentação. Sem ela você não viaja. Além de um documento oficial e com foto, mantenha junto a ele e de forma organizada seus cartões de crédito, comprovante de meia-entrada e tudo aquilo que for burocrático e que possa atrapalhar o seu humor na viagem caso o tenha esquecido.

– Se puder, leve sempre um lençol. Apesar de ser grande para carregar, é um item extremamente útil. Eu o carrego sempre na mochila de mão, pois as viagens em ônibus e avião são desconfortáveis. O lençol pode ser usado para aparar os encostos pontiagudos e duros dos assentos e deixar você mais confortável para um cochilo. Além do mais, em alguns casos você pode ficar em situação onde terá que dormir no chão (como em alojamentos de encontros), então um lençolzinho já salva a pátria (isso se você não optar por levar um colchonete ou colchão inflável nesses casos).

– Nada de carregar malas rígidas e de difícil transporte (com rodeirinhas, nem pensar!). Opte por mochilas de costas e que você carregue com facilidade. Se preferir, leve a mochila grande com todo seu material e uma menorzinha (estilo camelback) para coisas menores como celular, câmera, carteira e água para os treinos.

Como fica minha alimentação?

Se alimentar durante uma viagem é um caos. Sobretudo se você não tem muita grana para gastar. Para se ter idéia, um salgado simples numa parada de ônibus custa cerca de 3 reais e num aeroporto esse valor sobe para mais de 5. Por isso, faça uma feirinha sempre que for encarar o ônibus ou o avião e carregue os mantimentos em sua mochila de mão. Se for de avião, não leve sucos, refrigerantes ou qualquer líquido, pois eles irão pedir para você descartá-los no raio-x.

– Às vezes é preciso passar muito tempo sem ter uma refeição decente, então tente sobreviver escolhendo alimentos ricos em carboidratos e proteínas (sou fã de iogurte, miojo cru, barra de cereal, amendoim japonês e frutas).

– Nem sempre a pessoa que irá te abrigar, irá te alimentar. Isso depende muito do grau de intimidade e da disposição de todos. Então procure almoços e jantas em locais compatíveis com o seu bolso e estoque sempre algo para comer na mochila. Se você estiver em bando, um jeito fácil de economizar é juntar a galera e fazer a compra da refeição em conjunto e dividir depois. Se houver local disponível para cozinhar, melhor ainda que dá pra caprichar nos pratos (e fazer aquela panelada de miojo).

Como organizar a mala?

– Primeiro, arrume uma nécessaire (bolsa pequena) para colocar todo material de higiene. Se puder, já arrume um espacinho nela para abrigar também seus medicamentos. Isso é essencial para manter tudo agrupado e não correr o risco de vazar algum produto e melecar as suas roupas. Além disso, se você pegar gosto por viagens, já pode deixar esse kit fixo para facilitar nas próximas.

– Não carregue roupas que precisem ser passadas. Dê prioridade a artigos leves e de material que não amasse. A melhor forma de armazená-los é enrolar camisa por camisa, calça por calça, cueca por cueca, como se estivesse fazendo um rocambole. Dobradas elas ocupam muito espaço. Enroladinhas elas além de ficarem comprimidas facilita a sua procura sem ter que desarrumar tudo.

– Separe seu dinheiro em dois cantos diferentes. Digo isso porque prevenção nunca é demais. Se algo de inesperado acontecer, você não está totalmente desamparado. Outra dica para facilitar seu trabalho com grana é de levar uma quantia não muito elevada em dinheiro e manter o restante em uma conta no banco. Se o seu banco for local (somente para sua cidade) fique atento aos caixas 24 horas dos shoppings e metrôs. Através deles vocês podem sacar sem custo adicional do banco de sua cidade.

– Separe meias e cuecas/calcinhas em um bolso a parte. Se deixar tudo junto, por mais que você os enrole ou acomode, eles sempre dão um jeito de se misturar e causar confusão na mala.

Atenção aos horários!

 

– Sempre verifique com antecedência suas chegadas e partidas. Às vezes o aeroporto/rodoviária é distante demais de onde você estiver hospedado e isso pode gerar vários problemas que vão desde correria e desespero até perda da passagem (tanto no caso de avião quanto ônibus, mesmo perdendo o horário você tem direito a reembolso). Uma dica que desenvolvi as duras penas é de sempre ignorar o horário normal do transporte e diminuí-lo em meia hora. Se o avião sai as 10, se programe como se ele saísse as 9:30. Inclusive é esse horário que você deve comunicar aos seus anfitriões e demais pessoas. Acredite. Já me salvei diversas vezes graças a esse trunfo.

– Seja prudente também ao elaborar seus horários. Sincronize-os com os das pessoas que forem te receber, pois é complicado chegar na quarta-feira, 9 da manhã, para ser recebido por alguém que trabalha a semana inteira em período integral.

– Viajar pela madrugada só é vantagem se você consegue dormir com facilidade e sem conforto ou se não tem treino planejado pro dia seguinte. Do contrário, ter uma noite mal dormida e partir diretamente pros treinos pode te frustrar mais tarde por não ter utilizado os picos como gostaria. Reserve um tempo para descansar o necessário principalmente se a viagem for longa.

Qual encontro visitar?

Isso depende muito de sua vontade, do que você quer fazer e do que pretende conhecer.

Se sua intenção for viajar para um evento de Parkour, mas não definiu ainda qual e nem tem uma opinião específica de pra onde ir, existe um projeto ativo e mantido pela Associação Brasileira de Parkour que lista e mantém atualizados todos os eventos de Parkour do ano. Dessa forma você pode se programar com antecedência, checar o que irá rolar nos feriados nacionais e providenciar seu próprio calendário.

A relação de eventos pode ser encontrada no link:

http://www.abpk.org.br/eventos

Comece pequeno e torne-se grande!

Você não precisa, de cara, viajar 3000 km para considerar seu feito como uma viagem memorável. Faça isso de forma sutil e vá obtendo experiências. Uma boa solução, principalmente para quem está começando, é começar a fazer pequenas viagens dentro do seu próprio estado (no meu, por exemplo, eu vou e volto de cidades vizinhas e treino em picos diferentes, gastando apenas 5 reais com passagens).

Evolua para viagens para estados vizinhos. Normalmente não fica caro, principalmente se o estado fizer fronteira. A partir daí, incentive outros a fazer o mesmo e em pouco tempo você terá parceiros para ir a eventos mais distantes.

No mais, tire da cabeça que viajar é coisa de gente rica. Em uma viagem de final de semana para um estado vizinho, se você não tiver intenção de luxar, não será necessário mais do que 150 reais (já fiz ótimas viagens por muito menos que isso e gente que curte balada e festas já gastou muito mais).

Tudo depende da sua organização, vontade, prioridade e empenho.

Boas viagens e quem sabe não nos encontramos em breve!

 

Checklist 10+

 

01 – Decidir para onde viajar.

02 – Escolher o meio de transporte.

03 – Estabelecer os dias e horários de ida e volta.

04 – Comunicar informações básicas aos praticantes da cidade.

05 – Anotar celular e endereço de quem for te recepcionar.

06 – Separar roupas, material de higiene, medicamento, comida e documentos.

07 – Organizar sua mochila para ocupar o menor espaço possível.

08 – Carregar celular e demais eletrônicos.

09 – Sair de casa com antecedência e documentação em mãos.

10 – Certificar-se de não esquecer nada nos locais onde se abrigou.